Diário de Eventos

Super Sarau em comemoração aos 18 anos da Casa da Música

O Sarau teve início com a abertura da Exposição “Casa da Música 18 anos de História” com fotos, registros jornalísticos e textos, que contam um pouco da história desse importante espaço cultural localizado no famoso bairro de Itapuã. A exposição mostra ao publico os diferentes momentos vividos ao longo dos anos. As duas grandes novidades são o “Mural do futuro” onde as pessoas podem escrever e colocar em uma urna o que desejam e o que imaginam para o futuro da Casa da Música, e a outra é a apresentação de cordéis escritos especialmente para a ocasião. Os versos são de autoria de Bule-Bule, Maviael Melo, Antônio Barreto, Rodrigo Sestrem e Aloísio Lisboa. Além disso, foi produzido pelo curador da exposição, Alex Oliveira um mini-documentário com pessoas da comunidade e parceiros do espaço. Aproveitando o dia especial e o clima festivo foi celebrado também a Cultura Popular com São Cosme e São Damião que são venerados como padroeiros dos médicos e farmacêuticos, e por causa da sua simplicidade e inocência também são invocados como protetores das crianças.

A primeira participação espontânea foi do poeta Aloisio Lisboa que apresentou um dos seus poemas autorais, seguido pelo projeto Viva Maria, uma ONG localizada no bairro de itapuã, que tem como projeto um trabalho voltado para as mulheres da comunidade, afim de desenvolver a saúde e o bem estar. Elas mostraram um pouco do trabalho musical desenvolvido em uma de suas oficinas com o Coral Mulheres em Canto.
Na sequencia o Professor de Violino Dilson Peixoto, apresentou um pequeno concerto na companhia de seus alunos e instrutores da Oficina de Violinos que ele ministra na Casa da Música, uma das atividades de integração social realizada pela Casa em parceria com o colégio Mascarenhas de Moraes e Programa Mais Educação.
Dando Prosseguimento, o sambista Firmino de Itapuã contagiou a todos com sua alegria, e Reginaldo Souza mais conhecido como ”Seu Regi”, famoso sambista de Itapuã, interpretou as músicas que são sucessos no bairro como: “Historia de Itapuã”, “Sou mestre não”, e a nova “Garimpeiro”, todas de sua autoria.

Chegou a hora das falas institucionais com Giuliana Kauark (Diretora de Espaços Culturais), Katia Costa (Coordenadora do Espaço Xisto), Ana Vaneska (Coordenadora do Centro de Cultura de Plataforma), Luciana Vasconcelos(Coordenadora de Artes Visuais da Funceb), Aline Bispo (Coordenação Administrativa de Espaços Culturais), Nahalia Leal (Coordenadora Administrativa de Espaços Culturais), Viviane Andrade (Coordenadora de Programação dos Espaços Culturais), Renata Reis (Representante Territoria da SEDECULT), que parabenizaram a Casa da Música pelos trabalhos de integração social, oficinas, bate papos musicados e eventos realizados no espaço, além de falarem um pouco de suas funcões e trabalhos realizados pela equipe e da política cultural da Secult e Funceb.

As atrações musicais continuaram, dessa vez com Fabrico Rios e Betinho Macêdo, que tocaram grandes clássicos da Guitarra Baiana, que embalavam antigos carnavais. A presença de Betinho, membro da famila Macêdo foi bastante importante para a Casa da Música, pois aqui está abrigado o primeiro Trio Elétrico da história, o qual o seu pai Osmar Macêdo foi um dos inventores desse que, ate hoje é um dos grandes símbolos do carnaval da Bahia.

Em mais uma participação de colaboradores, Analu Franca, Geane Guimarães e Leonardo França que fazem parte do IMA (Independência Musical Associada) comentaram sobre a parceria com a Casa da Música, e como é feito a produção e o desenvolvimento dos Saraus de Itapuã.

As Ganhadeiras de Itapuã, grupo tradicional que foi constituído com a finalidade de resgatar e desenvolver as antigas tradições do bairro de Itapuã, também estavam presentes e junto com as participações especias de Tom Barreto e Joaquim Carvalho, abrilhantaram a festa.
O Movimento Hip Hop se fez presente através das participações de integrantes dos grupos SAN, Exilados do Sistema e Repensoul que também dedicaram o Rítmo e Poesia à Casa da Música.

Amadeu Alves encerrou o evento com a música “Sal da Terra” (Beto Guedes).


Lane Quinto faz homenagem a Cartola

A cantora Lane Quinto fez na Casa da Música, um show em homenagem a Angenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola, Considerado por diversos músicos e críticos como o maior sambista da história da música brasileira,.

A apresentação teve a proposta de contar sempre antes de cada música histórias e curiosidades sobre o compositor. Cartola era o primogênito dos oito filhos do casal Sebastião Joaquim de Oliveira e Aída Gomes de Oliveira, Nascido no bairro carioca do Catete, onde também passou parte de sua infância. Quando tinha oito anos, sua família se mudou para as Laranjeiras, onde ele se tornou torcedor do time do bairro, o Fluminense, Junto com um grupo amigos sambistas do morro, Cartola criou o Bloco dos Arengueiros, cujo núcleo em 1928 fundou a Estação Primeira de Mangueira. Ele compôs também o primeiro samba para a escola de samba, “Chega de Demanda”. Os sambas de Cartola se popularizaram na década de 1930, em vozes ilustres como Araci de Almeida, Carmen Miranda, Francisco Alves, Mário Reis e Silvio Caldas.[2]

As músicas apresentedas por Lane foram: “Que Infeliz Sorte!” (1931, canção lançada por Francisco Alves), “Divina Dama” – álbum “História da música popular brasileira” (RCA, 1970),”Quem Me Vê Sorrindo” com Carlos Cachaça – álbum “Cartola”, ‘’O Sol Nascerá” com Elton Medeiros – álbum “Cartola”, “Alvorada” com Carlos Cachaça e Herminio Bello de Carvalho- álbum “Cartola”, “Tive Sim” – álbum “Cartola”, “O Mundo É Um Moinho” – álbum “Cartola”, “Peito Vazio” com Elton Medeiros – álbum “Cartola”, “As Rosas Não Falam” – álbum “Cartola”, “Cordas de Aço” – álbum “Cartola”, “Autonomia” – álbum “Verde Que Te Quero Rosa”, “Tempos Idos” com Carlos Cachaça – álbum “Verde Que Te Quero Rosa”

O show foi uma oportunidade para o público que ja conhece Cartola relembrar sucessos que marcaram época, e para a nova geração de conhecer as músicas e a História desse grande ícone do samba.

Lane teve o acompanhamento do violonista Daniel, e contou com as participações da cantora Andréa Ferrer, do sambista Tom Barreto, e dos músicos Dinho Santana e Amadeu Alves.

Sarau de Itapuã 24/10/2011

Aconteceu na Casa da Música na segunda-feira 24/10, mas uma edição do Sarau de Itapuã. O evento teve inicio com um bate papo musicado sobre Raul Seixas, que foi um famoso cantor e compositor brasileiro, frequentemente considerado um dos pioneiros do rock no Brasil. Com a presença de Marcos Clement, Heleno Motta, Russo Russo e Sandra de Cássia. Durante essa atração foi exposto, segundo os convidados, histórias e curiosidades da vida de Raul, o público também contribuiu dando depoimentos sobre as suas relações com a música e a filosofia do “Maluco Beleza”. As músicas apresentadas foram: Capin Guiné (Wilson Aragão), Aos trancos e barrancos (Raul Seixas), Trem das sete (Raul Seixas/Paulo Coelho), Metamorfose ambulante (Raul Seixas) e Ouro de tolo (Raul Seixas).

Na primeira participação espontânea, o Poeta Aloisio Lisboa recitou o poema autoral Caminhos do vento. Na sequencia das atrações, foi a vez do trio de gaitistas Zona Harmônica (Luiz Rocha, Ramón El-Bachá e Breno Pádua) um grupo que se define como: ‘’trio de Gaitistas que toca sucessos da musica popular ocidental’’. Eles tiveram nessa noite durante a sua apresentação a participação especial de Ricado Hardman (percuteria).O repertório apresentado foi: O ovo (Hermento Pascoal), Smooth (Carlos Santana), A Paca Tatu Tapir (Zona Harmônica), Tequila (The Champs), Hit the road jack (Ray Charles), Samer Time (George Gershwin) e Parabens pra você em homenagem a Ricardo Hardman que fazia aniversário na noite.

A segunda participação espontânea foi do também poeta Lúcio Oliva, com os poemas Lua Feiticeira e Quando o Arco Iris se for, seguido de uma participação da cantora Aimê El-Bachá com uma performance à capela . Dando sequência às apresentações a GPT – Amigos e Cancões (Gabih Matos, Paulinho Augusto e Tai Gomes) cantaram sucessos da MPB como: Sobre o tempo (Patu Fú), Laranja (Maria Gadú), Lucky (Jason M’RAZ) e a internacional La Solitudine (Laura Pausine) e as músicas autorais: Sem dimensão, Amoral e Prólogo.

No encerramento Amadeu Alves e Luiz Rocha se juntaram ao cantor e guitarrista Lon Bové, para interpretar as músicas: Read Bad Habit, Rainbows in the Dark e I Cant help It. Todas composições autorais de Lon Bové.

Anúncios

Um comentário sobre “Diário de Eventos

  1. Amadeu, tudo bem!
    Estive aí na quinta feira (31/03) com duas amigas, onde tivemos a oportunidade de registrar o Eriel, tocando violino. Tiramos algumas fotos e não estou conseguindo enviar para vcs. Vc poderia me enviar um email onde as fotos fossem postadas.
    Obrigada!
    Jeane – Fortaleza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s